Girandolá na Vila Rosina

0

_MG_0017Com a estreia do espetáculo “Sevirismo – os mais espantosos causos e descausos de uma ponte seca”, do Teatro Girandolá, estamos visitando as cidades vizinhas, mostrando nosso trabalho de pesquisa que retratou a realidade da Ponte Seca, em Francisco Morato. Neste sábado fomos até a comunidade da Vila Rosina, em Caieiras, um bairro bastante vulnerável da cidade, e onde mora uma parceira nossa, a Joice Aziza, que já havia nos ajudado na divulgação da apresentação e nos auxiliou com muito carinho.
Quando chegamos, quem nos recebeu primeiro foram as crianças, que curiosas começavam a se aproximar, uma a uma, e mais uma, e mais outra, que vinham e por ali ficaram ao nosso redor, acompanhando a montagem do cenário, a maquiagem dos atores e o aquecimento para a cena. Elas perguntavam sobres os objetos, palpitavam sobre a maquiagem, e iam nos revelando neste entremeio, sobre suas vidas, quem era irmã de quem, onde morava, como eram suas casas.
A apresentação aconteceria na quadra das casinhas, o que chamou atenção dos moradores ao redor, que viam do alto a nossa movimentação. Mais perto de começar, os adultos começaram a aparecer também, alguns já haviam participado do processo através de sessão de energia na sua casa, banheiro, vassoura, e tudo o que fosse necessário para a organização do espaço. E durante a apresentação algo de incrível aconteceu, pois a pesquisa da peça não foi sobre aquele lugar, mas falávamos dele, era sobre aquelas pessoas e sobre suas vidas. E todo mundo estava conectado, pois se via protagonista.
Das crianças que havíamos perguntado, nenhuma nunca tinha visto teatro, dos adultos, possivelmente poucos também, mas não havia ali quem não entendesse tudo sobre a peça.
Enquanto apresentava tive a oportunidade de conversar com uma mulher, que dançou comigo durante a cena do forró, e ela agradecia muito por estarmos lá, levando alegria. Nós ouvimos muitos agradecimentos, e nós também estávamos muito gratos por poder estar lá, fazendo arte, conversando, retratando a nossa realidade, que é dura, mas com nossas caras pintadas, fazendo sorrir.

A temporada de estreia já está chegando ao fim, tem sido uma maravilhosa experiência, a última apresentação acontece no próximo sábado, voltando pra Francisco Morato, na programação do OCUPACEU, no CEU das Artes, no Jd. Vassouras. A apresentação será às 16h, compareça!

Este projeto foi contemplado pelo edital do ProAC – programa de ação cultural, do Governo do Estado de São Paulo, para produção de espetáculos de teatro.

Para essa temporada de estreia, contamos com preciosos apoios, de parceiros que vão receber e nos ajudar a viabilizar nossas apresentações: Agência 8 Cultural, Comunidade da Vila Rosina, CTN Itinerate, Prefeitura de Francisco Morato e Prefeitura de Franco da Rocha.

Mais informações: 4488-8524

Compartilhar.

Sobre o autor

27 anos, Francorrochense, Atriz, Produtora Cultural, Co-fundadora da Associação Cultural CONPOEMA, Feminista e Co-fundadora do coletivo Baciada das Mulheres do Juquery, vegetariana, divide a casa com seu cachorro Romeo e seu gato Fellini.

Deixe um comentário